quinta-feira, outubro 7

Pequena Sincronicidade

Decidi ir escrevendo num guardanapo o que vi enquanto te via.
Quando pediste o café curto e esvaziaste o pacote de açúcar no cinzeiro percebi que alguma coisa séria te preocupava, apesar da gargalhada. Alguma coisa importante; não me parece que consigas permitir esse momento de delícia a quem te observa - mesmo que à distância de umas boas três filas de mesas e cadeiras - consciente de que o fazes.


Nesse fim de tarde estavas húmida, mas o teu impermeável, no bengaleiro, encharcado. Uma boa compra. Sorrias se davas uma passa realmente saborosa. Nunca tinha visto ninguém, com mais de 15 anos de cigarros, pelo menos, relacionar-se assim com eles. A maior parte dos fumadores já não sente o que fuma. Aliás... A maior parte dos fumadores já não sabe bem se tem um cigarro aceso ou se precisa de acender outro.


Durante vinte minutos não paraste de escrever, que eu vi. Quando te certificaste que as mãos estavam tão secas quanto iriam ficar e quanto a chávena poderia contribuir, desdobraste um guardanapo de papel, fizeste dele uma folha quadrada e começaste a rabiscar. Quando finalmente terminaste chegou outro café, que ficou gelado e que tinhas pedido porque te apeteceu o pequeno chocolate que trazia.


Deixaste duas moedas perto da chávena mas não no pires. Em cima da mesa. Levantaste-te e sorriste para o dono, atrás do balcão. Passaste por mim e entregaste-me o guardanapo enrugado numa bola. Vestiste o impermeável e entraste na rua, onde continuava a chover.


Pedi a conta e guardei o livro que não tinha chegado a abrir. Desdobrei o guardanapo e li o que tinhas estado a escrever. Se bem percebi a tua letra, dizia:




Decidiste ir escrevendo num guardanapo o que viste enquanto me vias. Quando pedi o café curto e esvaziei o pacote de açúcar no cinzeiro percebeste que alguma coisa séria me preocupava, apesar da gargalhada. Alguma coisa importante; não te parece que eu consiga permitir esse momento de delícia a quem me observa - mesmo que à distância de umas boas três filas de mesas e cadeiras - consciente de que o faço.


Nesse fim de tarde estava húmida, mas o meu impermeável, no bengaleiro, encharcado. Uma boa compra. Sorria se dava uma passa realmente saborosa. Nunca tinhas visto ninguém, com mais de 15 anos de cigarros, pelo menos, relacionar-se assim com eles. A maior parte dos fumadores já não sente o que fuma. Aliás... A maior parte dos fumadores já não sabe bem se tem um cigarro aceso ou se precisa de acender outro.


Durante vinte minutos não parei de escrever, que tu viste. Quando me certifiquei que tinha as mãos tão secas quanto iriam ficar e quanto a chávena poderia contribuír, desdobrei um guardanapo de papel, fiz dele uma folha quadrada e comecei a rabiscar. Quando terminei chegou outro café, que ficou gelado e que tinha pedido porque me apeteceu o pequeno chocolate que trazia.


Deixei duas moedas perto da chávena mas não no pires. Em cima da mesa. Levantei-me e sorri para o dono, atrás do balcão. Passei por ti e entreguei-te o guardanapo enrugado numa bola. Vesti o impermeável e entrei na rua, onde continuava a chover.


Pediste a conta e guardaste o livro que não tinhas chegado a abrir. Desdobraste o guardanapo e leste o que eu tinha estado a escrever. Ficaste tão perturbado que achas que não tens a certeza de ter percebido a minha letra.


26 daguerreótipos:

Blogger Calamity Spot said...

magnífico! :)

10:55 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

muito bom :)

a cena do açucar no cinzeiro dá-me calafrios...

jm
http://mblog.com/rain_song/

9:55 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

E... se... a Transparência....a Mónada não tem portas nem janelas.

10:51 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

sincronicidade de estremecer! coexistem há tto tempo que o silêncio cúmplice ultrapassa a comunicação. rara sintonia

7:35 da tarde  
Blogger margarete said...

eu sabia que 'tínhamos' escritor
:)

12:50 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

muito fixe :) embora seja um atrevimento muito grande insinuar que duas pessoas possam estar a pensar exactamente o mesmo. por mais sincronizados que estejam os seus espíritos. as percepções são sempre diferentes.
mas gostei bastante. vende.

7:23 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

o ultimo post é meu. esqueci-me de assinar :)

pns

7:25 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

gostei do texto :)
momento de rara, diria mesmo irreal, sincronia -

curioso pensar como a rotina de tantos dos nossos gestos, movimentos e percursos diários, nos torna semelhantes em vários aspectos; haverá, por isso, 'coisas' em nós que são como 'livros abertos'?...

curioso pensar como, por vezes, olhando o outro, retornamos a nós mesmos, e os nossos pensamentos são-nos surpreendentemente devolvidos...

curioso pensar na possibilidade de existirem momentos assim, raros, de tão exacta sincronia...


margem

12:16 da manhã  
Blogger salamandrine said...

pns, que tu nunca tenhas sentido a possibilidade de tal acontecer, é apenas algo que quem perde és tu. mas não menosprezes os outros por falhas ou incompreensões que são apenas tuas.
quanto ao vende.... nem sei que resposta merece.
contente seria eu, se de facto vendesse.....

5:45 da tarde  
Blogger corpo visível said...

:)
Gostei bastante. Muito na onda das verdades quase verdadeiras do José Luís Peixoto.
Agradam-me instantes partilhados por dois estranhos que muito provavelmente nunca mais se irão reencontrar...

6:39 da tarde  
Blogger Paulo said...

"embora seja um atrevimento muito grande insinuar que duas pessoas possam estar a pensar exactamente o mesmo."

A sorte protege os audazes...

"Vende."

Prometes?

9:10 da tarde  
Blogger Paulo said...

"Gostei bastante. Muito na onda das verdades quase verdadeiras do José Luís Peixoto. "

o-oh...! e isso é bom, corpo?!
:-)

9:13 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

:):):)!!!!!Tu conheces estes gajos????!!!!!Antes ir à barraca das farturas perguntar se vende, se há comunicação entre inconscientes, se esta vida tem algumsentido, se há comunicação sequer!!!!!!!!!

11:15 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Ser criativo é ter ideias, originalidade criativa; ser escriba é saber passá-las ao papel; ser escritor (e assim continue a ser!) é tudo isso, e muito mais, como por exemplo saber que pode dar erros, que alguém cuidará de os emendar. Não te reconheço no que sei que tu próprio não te conheces, mas reafirmo o que sempre disse: és um chapéuzinho de muitas cores!
N.

2:24 da tarde  
Blogger corpo visível said...

"Gostei bastante. Muito na onda das verdades quase verdadeiras do José Luís Peixoto. "

o-oh...! e isso é bom, corpo?!


Para mim é.
;)

4:51 da tarde  
Blogger Julieonthemoon said...

dá que pensar.
gostei :o) **

11:08 da tarde  
Blogger Paulo said...

N., a generosa!!! ;-)

1:18 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Anonimamente te escrevo para me posicionar como potencial compradora de tudo quanto escreveres a partir de agora.

ali CMgraw

11:34 da tarde  
Blogger Paulo said...

Done!

1:05 da manhã  
Blogger drinkthestars said...

Uma amiga minha falou-me que tinha lido um texto teu que a fez lembrar um texto meu escrito dia 29 de setembro... de facto faz algum sentido, aqui fica o meu:

Mudar de pele
Quanto a vida teima em não chegar e nos perdemos nas horas percebemos que a sombra tem virtudes que a luz desconhece. A minha história é o cinzento escuro da sombra. Conheci em tempos um homem chamado Pedro que morava num ermo, sozinho entre os seus livros. Os dias escorriam por entre as letras, as páginas que folheava, enquanto estava sentado no seu sofá cor de caramelo gasto. Pedro acabara de começar um novo livro. A capa era em veludo sangue, as páginas densas, pesadas como as horas, a ansiedade de Pedro tomara-lhe o corpo, tinha de começar a devorar o livro! As letras narravam a Pedro a vida de um indivíduo, só acompanhado pelas bruxas que voavam por cima do seu telhado à noite. O espaço primava pela claustrofobia. Uma mesa e uma cadeira de pinho, uma lareira, um velho sofá castanho claro. Pedro sentiu um arrepio e imediatamente colocou mais uma cavaca, os dias estavam cada vez mais frios. Continou a ler, o homem do livro gostava de ficar sentado no seu sofá a imaginar vidas possíveis, diferentes daquela que lhe tinha sido reservada, mas o calor tomou-lhe o corpo inerte. O individuo decidiu fazer das suas horas, horas de leitura, pegou num livro com uma capa estranha, veludo sangue... páginas densas... Pedro deu um salto. Acabara de se aperceber que aquela história era a sua própria história. O desespero tomou conta de si. Continuou a ler, tudo batia certo até o rasgo final de loucura, em que Pedro tomado pelo dor corria corria e o destino era sempre o mesmo, o seu ermo, o seu sofá, aquele livro. Vezes sem conta. Pedro era um homem condenado a sua própria sombra.

está na pag. http://www.cup.cgd.pt/Cup/Funcionalidades/Passatempo/01/Detalhe.aspx?id=3

*s
Cat.
lisacatarina@hotmail.com

9:02 da tarde  
Blogger Paulo said...

O Pedro e o resto é outra pequena sincronicidade, não é? Estas coisas só não deixam de ser pequenas por não existirem. Shame on us...

7:26 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

"pns, que tu nunca tenhas sentido a possibilidade de tal acontecer, é apenas algo que quem perde és tu. mas não menosprezes os outros por falhas ou incompreensões que são apenas tuas."

não, não, claro que não menosprezo. como disse, gostei daquilo que o Paulo escreveu. e eu já senti a possibilidade disso acontecer... acontece que por vezes acredito que a sincronicidade é mais aparente que real, apenas isso

"quanto ao vende.... nem sei que resposta merece.
contente seria eu, se de facto vendesse....."

claro que vende. e vende pelo bom gosto. está bem escrito, e uma larga audiência acolhe. a cena do "vender" não foi depreciativa, antes pelo contrário.
não me interpretem mal. insisto - gostei. só que acho que, apesar de conhecer o Paulo, e da minha (grande) consideração por ele, devo dizer as coisas que penso - estando certas ou erradas, mas penso que não é isso que está em causa.

4:27 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

"embora seja um atrevimento muito grande insinuar que duas pessoas possam estar a pensar exactamente o mesmo."
A sorte protege os audazes...
"Vende."
Prometes?
=====================================

"A sorte protege os audazes" + "Vende" - claro ! Mas claro que vende, rapaz. Mas vende bem e com bom gosto. Eu não posso prometer nada, apenas antevejo que com escritos dessa qualidade, tens aí um bom diamante a lapidar. ;)

pns

4:40 da tarde  
Blogger Paulo said...

lol, pns, quando te perguntei se prometias que vendia estava na pura das tangas. pá, este blog termina mesmo aqui!

7:08 da tarde  
Blogger satori said...

Ou mostras o guardanapo ou não acredito...

1:21 da manhã  
Blogger Paulo said...

Tens que acreditar, satori. Acredita!

9:24 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Blogs:

Silêncio - Húmus - Little Black Spot - Coisa Ruim - RainSong - Acknowledge Yourself - Citador - Laranja Amarga - O mundo à minha procura - Via da Verdade - Elasticidade - A Magnólia - Chafarica Iconoclasta - Que farei quando tudo arde? - Almocreve das Petas - Um Blog Sobre Kleist - Welcome to Elsinore - Eternuridade - Touch of Evil - Todos os Guarda-Chuvas de Londres - As Ruínas Circulares - Substrato - Inner Mirror - Espelhos Velados - À Espera dos Bárbaros - Vadiar - Respirar o mesmo ar - Bloguítica - Estrela Cansada - JPCoutinho - Juramento Sem Bandeira - Viva Espanha - Torneiras de Freud - Crónicas da Terra - Desassossegada - Homem a Dias - Rua da Judiaria - Roda Livre - Tempo Dual - Triciclo Feliz - Ponto em Fuga - Dragoscópio - A Natureza do Mal - Portugal dos Pequeninos - Avatares de Desejo - Fora do Mundo - Universos Desfeitos - A aba de Heisenberg - Reflexos de Azul Eléctrico - Charutos, Jazz, Uísque e Blog - Daily Dose of Imagery - Vitriolica - Mola de Roupa - The Serendipitous Cacophonies - As Barbas do Hernani - O Inimigo Musical - you've been flirting away - Carrocel Estelar - Dias com árvores - trato-me por tu - um mundo imaginado - O Estrelado - Um Lugar Chamado Perdição - a (in)visibilidade das coisas - Abóbora-Menina - Ardeu a Viola - o último metro - Contra a Corrente - such beautiful poses - VitorRua's Weblog - Callas em vez de televisão - Pula Pula Pulga - Viver todos os dias cansa - No Arame - Quartzo, Feldspato & Mica - Universos Desfeitos - Linha dos Nodos - zé aquilino santos, o passageiro... - Last Tapes - Random Precision - Gotas d'Água - Bodião Reticulado - O Talento da Mediocridade - A vida é larga - Policromia - Vazio - Diário de Bordo - Blog do Desassossego - Glooka - ante mare, undae - A razão tem sempre cliente - Instalação - Paredes Oblíquas - Voz do Deserto - Onde eu estou. - No Bairro do Aleixo - Polegadas - Silvia Sem Filtro - H Gasolim Ultramarino - educação sentimental - Escrúpulos Precários - Paralelo.36 - 10 Segundos - Estórias D'Embalar - silsmaria - Eros & Thanatos - A arte da fuga - As Aranhas - Cidade Surpreendente - a forma do jazz - Da mão para a boca - sob a Terra - Post Secret

Arquivos:

:Setembro 2004::Outubro 2004::Novembro 2004::Dezembro 2004::Janeiro 2005::Fevereiro 2005::Março 2005::Abril 2005::Maio 2005::Junho 2005::Julho 2005: