terça-feira, dezembro 14

Bohren & Der Club of Gore


Yes, jazz. In fact, this just might be a variation of jazz you might never have heard before. Remember Angelo Badalamenti's music for David Lynch's great TV series Twin Peaks? That slow, slinky, playful, minimalist blend of '50s rock 'n' roll and lounge piano, how hearing a single movement in the soundtrack instantly hit you with the mental image of Audrey Horne coquettishly walking across a room? Well, the music on Black Earth is just as simple, but instead, this music sounds more like a corpse clawing its way out of a grave, lumbering in the moonlit night, with creaky joints and a half-decayed face, in search of human flesh to feast on. Sure, there are times when you are hit with a mental image of a cherry-lipped femme fatale, but it's always only for a brief spell, as the music pulls you deeper and deeper into a dank pit of nasty, monstrous, ambient jazz.


Adrien Begrand, PopMatters


3 daguerreótipos:

Blogger Calamity Spot said...

brutal. texto magnífico. nem o som é preciso: a própria evocação da música de Angelo Badalamenti transporta-me logo ao universo das minhas mais bizarras paixões. cresci com Twin Peaks. de alguma forma, aquele é que é o meu mundo. e fiquei muito, muito curiosa para ouvir isto. sou adepta das sensações fortes. :)

(greetings from the land of the cold ;))

5:14 da tarde  
Blogger N. said...

bem, o texto (este) não li! Mas, agora que dei pelo musicól (continuo na distração habitual)é para ÓVIR!!!yesss

10:27 da manhã  
Blogger Calamity Spot said...

tinhas razão. fizeste uma descrição perfeita. já ouvi e sinto o assombro. é Twin Peaks. é noite negra. sou eu.

5:21 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Blogs:

Silêncio - Húmus - Little Black Spot - Coisa Ruim - RainSong - Acknowledge Yourself - Citador - Laranja Amarga - O mundo à minha procura - Via da Verdade - Elasticidade - A Magnólia - Chafarica Iconoclasta - Que farei quando tudo arde? - Almocreve das Petas - Um Blog Sobre Kleist - Welcome to Elsinore - Eternuridade - Touch of Evil - Todos os Guarda-Chuvas de Londres - As Ruínas Circulares - Substrato - Inner Mirror - Espelhos Velados - À Espera dos Bárbaros - Vadiar - Respirar o mesmo ar - Bloguítica - Estrela Cansada - JPCoutinho - Juramento Sem Bandeira - Viva Espanha - Torneiras de Freud - Crónicas da Terra - Desassossegada - Homem a Dias - Rua da Judiaria - Roda Livre - Tempo Dual - Triciclo Feliz - Ponto em Fuga - Dragoscópio - A Natureza do Mal - Portugal dos Pequeninos - Avatares de Desejo - Fora do Mundo - Universos Desfeitos - A aba de Heisenberg - Reflexos de Azul Eléctrico - Charutos, Jazz, Uísque e Blog - Daily Dose of Imagery - Vitriolica - Mola de Roupa - The Serendipitous Cacophonies - As Barbas do Hernani - O Inimigo Musical - you've been flirting away - Carrocel Estelar - Dias com árvores - trato-me por tu - um mundo imaginado - O Estrelado - Um Lugar Chamado Perdição - a (in)visibilidade das coisas - Abóbora-Menina - Ardeu a Viola - o último metro - Contra a Corrente - such beautiful poses - VitorRua's Weblog - Callas em vez de televisão - Pula Pula Pulga - Viver todos os dias cansa - No Arame - Quartzo, Feldspato & Mica - Universos Desfeitos - Linha dos Nodos - zé aquilino santos, o passageiro... - Last Tapes - Random Precision - Gotas d'Água - Bodião Reticulado - O Talento da Mediocridade - A vida é larga - Policromia - Vazio - Diário de Bordo - Blog do Desassossego - Glooka - ante mare, undae - A razão tem sempre cliente - Instalação - Paredes Oblíquas - Voz do Deserto - Onde eu estou. - No Bairro do Aleixo - Polegadas - Silvia Sem Filtro - H Gasolim Ultramarino - educação sentimental - Escrúpulos Precários - Paralelo.36 - 10 Segundos - Estórias D'Embalar - silsmaria - Eros & Thanatos - A arte da fuga - As Aranhas - Cidade Surpreendente - a forma do jazz - Da mão para a boca - sob a Terra - Post Secret

Arquivos:

:Setembro 2004::Outubro 2004::Novembro 2004::Dezembro 2004::Janeiro 2005::Fevereiro 2005::Março 2005::Abril 2005::Maio 2005::Junho 2005::Julho 2005: