quinta-feira, dezembro 30


Eu nunca tinha conhecido ninguém com um espírito de observação mais agudo e uma maior riqueza de pensamento. Só que o Paul deitava continuamente pela janela fora a sua riqueza de pensamento, exactamente como fazia com a sua riqueza monetária, mas, ao passo que esta riqueza monetária em breve tinha sido deitada definitivamente pela janela fora e se havia esgotado, a sua riqueza de pensamento era realmente inesgotável; ele deitava-a continuamente pela janela fora e ela multiplicava-se (simultaneamente) de forma contínua, quanto maior era o quinhão da sua riqueza de pensamento que ele deitava pela janela fora (da sua cabeça), mais essa riqueza aumentava; é uma característica das pessoas que primeiro são doidas e por fim qualificadas de dementes o facto de deitarem pela janela fora (da sua cabeça) cada vez mais e sempre de forma contínua a sua riqueza mental e simultaneamente na sua cabeça essa sua riqueza mental se multiplicar com a mesma velocidade com que elas a deitam pela janela fora (da sua cabeça) e ela vai sendo, na sua cabeça, cada vez mais e tornando-se naturalmente cada vez mais ameaçadora e por fim já não é suficiente o deitar fora (da sua cabeça) a sua riqueza mental que nela se vai incessantemente multiplicando e acumulando, acabando por explodir. Assim explodiu muito simplesmente a cabeça do Paul, porque ele já não conseguia deitar fora (da sua cabeça) na medida suficiente a sua riqueza mental.


Thomas Bernhard
O Sobrinho de Wittgenstein

0 daguerreótipos:

Enviar um comentário

<< Home

Blogs:

Silêncio - Húmus - Little Black Spot - Coisa Ruim - RainSong - Acknowledge Yourself - Citador - Laranja Amarga - O mundo à minha procura - Via da Verdade - Elasticidade - A Magnólia - Chafarica Iconoclasta - Que farei quando tudo arde? - Almocreve das Petas - Um Blog Sobre Kleist - Welcome to Elsinore - Eternuridade - Touch of Evil - Todos os Guarda-Chuvas de Londres - As Ruínas Circulares - Substrato - Inner Mirror - Espelhos Velados - À Espera dos Bárbaros - Vadiar - Respirar o mesmo ar - Bloguítica - Estrela Cansada - JPCoutinho - Juramento Sem Bandeira - Viva Espanha - Torneiras de Freud - Crónicas da Terra - Desassossegada - Homem a Dias - Rua da Judiaria - Roda Livre - Tempo Dual - Triciclo Feliz - Ponto em Fuga - Dragoscópio - A Natureza do Mal - Portugal dos Pequeninos - Avatares de Desejo - Fora do Mundo - Universos Desfeitos - A aba de Heisenberg - Reflexos de Azul Eléctrico - Charutos, Jazz, Uísque e Blog - Daily Dose of Imagery - Vitriolica - Mola de Roupa - The Serendipitous Cacophonies - As Barbas do Hernani - O Inimigo Musical - you've been flirting away - Carrocel Estelar - Dias com árvores - trato-me por tu - um mundo imaginado - O Estrelado - Um Lugar Chamado Perdição - a (in)visibilidade das coisas - Abóbora-Menina - Ardeu a Viola - o último metro - Contra a Corrente - such beautiful poses - VitorRua's Weblog - Callas em vez de televisão - Pula Pula Pulga - Viver todos os dias cansa - No Arame - Quartzo, Feldspato & Mica - Universos Desfeitos - Linha dos Nodos - zé aquilino santos, o passageiro... - Last Tapes - Random Precision - Gotas d'Água - Bodião Reticulado - O Talento da Mediocridade - A vida é larga - Policromia - Vazio - Diário de Bordo - Blog do Desassossego - Glooka - ante mare, undae - A razão tem sempre cliente - Instalação - Paredes Oblíquas - Voz do Deserto - Onde eu estou. - No Bairro do Aleixo - Polegadas - Silvia Sem Filtro - H Gasolim Ultramarino - educação sentimental - Escrúpulos Precários - Paralelo.36 - 10 Segundos - Estórias D'Embalar - silsmaria - Eros & Thanatos - A arte da fuga - As Aranhas - Cidade Surpreendente - a forma do jazz - Da mão para a boca - sob a Terra - Post Secret

Arquivos:

:Setembro 2004::Outubro 2004::Novembro 2004::Dezembro 2004::Janeiro 2005::Fevereiro 2005::Março 2005::Abril 2005::Maio 2005::Junho 2005::Julho 2005: