terça-feira, janeiro 18

Spleen LXXVI

Memórias tenho mais que se tivesse mil anos.


Um armário com as gavetas cheias de balanços,
De versos, bilhetinhos, processos, romanzas,
E enroladas madeixas dentro dos recibos,
Esconde menos segredos do que o meu cérebro triste.
É como uma pirâmide, um imenso jazigo
Encerrando mais mortos que a vala comum.
- Eu sou um cemitério que a lua abomina
E onde os vermes rastejam, tais como remorsos,
Sôfregos devorando os meus mais queridos mortos.
Sou um velho toucador cheio de coisas mirradas,
Onde jazem os restos de modas passadas
E onde os pastéis, gemendo, e os Boucher, tão pálidos,
Respiram, sós, o odor de um frasco destapado.


Nada iguala a extensão dos longos dias mancos
Quando o tédio, esse fruto da incuriosidade,
Sob os pesados flocos da neve dos anos,
Atinge as proporções da imortalidade.
- Ó matéria tão viva! és apenas agora
Um granito envolvido por vago pavor,
Dormitando no fundo de um Sara brumoso;
Velha esfinge que o mundo, negligente ignora
Já esquecida no mapa, e cujo estranho humor
Canta apenas aos raios do sol que se põe.



Charles Baudelaire
As Flores do Mal

4 daguerreótipos:

Blogger margarete said...

«Memórias tenho mais que se tivesse mil anos.

(...)

Nada iguala a extensão dos longos dias mancos
Quando o tédio, esse fruto da incuriosidade,

(...)»

tem de ser, tenho de deixar de lado esse preconceito de querer ler Baudelaire e Rimbaud em Francês, nunca mais consigo tempo para chegar a essa língua ao nível da poesia, terá de ser em português e pelo que já me disseram o Flores do Mal está benzinho (para tradução de poesia...)

9:32 da manhã  
Blogger Paulo said...

Na Assírio está mais do que benzinho; está bilingue.

9:44 da manhã  
Blogger margarete said...

nem eu pensaria em comprar uma tradução que não tivesse o original! (até com a poesia traduzida do Inglês eu quero -exijo- as edições bilingues)

; )

12:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

UI, UI!.....o mal deste país....

8:06 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Blogs:

Silêncio - Húmus - Little Black Spot - Coisa Ruim - RainSong - Acknowledge Yourself - Citador - Laranja Amarga - O mundo à minha procura - Via da Verdade - Elasticidade - A Magnólia - Chafarica Iconoclasta - Que farei quando tudo arde? - Almocreve das Petas - Um Blog Sobre Kleist - Welcome to Elsinore - Eternuridade - Touch of Evil - Todos os Guarda-Chuvas de Londres - As Ruínas Circulares - Substrato - Inner Mirror - Espelhos Velados - À Espera dos Bárbaros - Vadiar - Respirar o mesmo ar - Bloguítica - Estrela Cansada - JPCoutinho - Juramento Sem Bandeira - Viva Espanha - Torneiras de Freud - Crónicas da Terra - Desassossegada - Homem a Dias - Rua da Judiaria - Roda Livre - Tempo Dual - Triciclo Feliz - Ponto em Fuga - Dragoscópio - A Natureza do Mal - Portugal dos Pequeninos - Avatares de Desejo - Fora do Mundo - Universos Desfeitos - A aba de Heisenberg - Reflexos de Azul Eléctrico - Charutos, Jazz, Uísque e Blog - Daily Dose of Imagery - Vitriolica - Mola de Roupa - The Serendipitous Cacophonies - As Barbas do Hernani - O Inimigo Musical - you've been flirting away - Carrocel Estelar - Dias com árvores - trato-me por tu - um mundo imaginado - O Estrelado - Um Lugar Chamado Perdição - a (in)visibilidade das coisas - Abóbora-Menina - Ardeu a Viola - o último metro - Contra a Corrente - such beautiful poses - VitorRua's Weblog - Callas em vez de televisão - Pula Pula Pulga - Viver todos os dias cansa - No Arame - Quartzo, Feldspato & Mica - Universos Desfeitos - Linha dos Nodos - zé aquilino santos, o passageiro... - Last Tapes - Random Precision - Gotas d'Água - Bodião Reticulado - O Talento da Mediocridade - A vida é larga - Policromia - Vazio - Diário de Bordo - Blog do Desassossego - Glooka - ante mare, undae - A razão tem sempre cliente - Instalação - Paredes Oblíquas - Voz do Deserto - Onde eu estou. - No Bairro do Aleixo - Polegadas - Silvia Sem Filtro - H Gasolim Ultramarino - educação sentimental - Escrúpulos Precários - Paralelo.36 - 10 Segundos - Estórias D'Embalar - silsmaria - Eros & Thanatos - A arte da fuga - As Aranhas - Cidade Surpreendente - a forma do jazz - Da mão para a boca - sob a Terra - Post Secret

Arquivos:

:Setembro 2004::Outubro 2004::Novembro 2004::Dezembro 2004::Janeiro 2005::Fevereiro 2005::Março 2005::Abril 2005::Maio 2005::Junho 2005::Julho 2005: